• Face às restrições impostas pela evolução da pandemia Covid-19, a Comissão Organizadora do Congresso Reabilitar & Betão Estrutural 2020 decidiu adiar a sua realização para 3 a 5 de novembro de 2021. Com esta decisão pretende-se realizar o Congresso nos moldes tradicionais, correspondendo às expectativas de todos os interessados.

Motivação

Num contexto internacional marcado pela necessidade de uma maior atenção às questões da sustentabilidade e pelos desafios associados às alterações climáticas, e numa conjuntura nacional caracterizada por uma intensa atividade de reabilitação urbana, com crescentes desafios colocados na recuperação de obras públicas e na sequência de recentes e relevantes alterações regulamentares, a Associação Portuguesa de Engenharia de Estruturas (APEE) e o Grupo Português de Betão Estrutural (GPBE) decidiram organizar conjuntamente o Congresso Nacional Reabilitar & Betão Estrutural 2020.

 

Este Congresso surge na continuidade dos Encontros Nacionais de Betão Estrutural promovidos bienalmente pelo GPBE e dos Encontros Nacionais sobre Conservação e Reabilitação de Estruturas (REPAR 2000 e Reabilitar 2010) organizados pela APEE. Pretende ser um fórum privilegiado de divulgação e discussão conjunta dos temas habitualmente tratados separadamente nestes dois eventos, reunindo, portanto, as realizações mais recentes e inovadoras no domínio do betão estrutural, bem como no campo da reabilitação de estruturas de qualquer tipo de material, designadamente construções de alvenaria ou com estrutura de madeira, de aço ou de betão.

Para as diferentes situações pretende-se abordar as vertentes dos materiais e produtos, normalização, projeto, execução e investigação científica, tendo em conta as atuais prioridades, nacionais e internacionais, em termos de desempenho, durabilidade, sustentabilidade e resiliência das estruturas.

O Congresso Nacional Reabilitar & Betão Estrutural 2020 será organizado com o apoio do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), da Ordem dos Engenheiros e da Ordem dos Arquitectos, e irá ter lugar no LNEC, de 3 a 5 de novembro de 2021.

O Congresso pretende ser um espaço de debate de ideias sobre os riscos e os desafios do futuro das estruturas, mobilizando para o efeito os profissionais de engenharia e de arquitetura, as empresas do sector, donos-de-obra, gabinetes de projeto, universidades, politécnicos, laboratórios e unidades de investigação científica e desenvolvimento tecnológico.

Temas

01. Patologia, Inspeção e Diagnóstico

  • Enquadramento histórico e arquitetónico em intervenções de reabilitação
  • Deterioração dos materiais e das estruturas
  • Técnicas de inspeção e diagnóstico
  • Ensaios in situ e em laboratório
  • Monitorização da integridade estrutural
  • Avaliação da vida útil remanescente de estruturas existentes

02. Materiais e Produtos para Estruturas Duráveis e Sustentáveis

  • Novos cimentos, adições e adjuvantes
  • Caldas e argamassas
  • Betões de elevado desempenho e betões reforçados com fibras
  • Betões eco-eficientes
  • Armaduras em aço de elevado desempenho
  • Armaduras em materiais compósitos
  • Novos produtos pré-fabricados
  • Novos processos construtivos
  • Proteção de estruturas
  • Reparação de estruturas
  • Reforço de estruturas

03. Análise, Modelação e Normalização

  • Identificação e caracterização dos sistemas estruturais de construções existentes
  • Modelação de ações e da degradação dos materiais
  • Modelação do comportamento estrutural
  • Critérios e avaliação da segurança
  • Avaliação e gestão do risco estrutural e sísmico
  • Avaliação da robustez e da resiliência
  • Avaliação do risco ambiental
  • Normalização e regulamentação

04. Soluções Inovadoras para Estruturas

  • Estruturas com novos materiais e produtos
  • Estruturas offshore e em ambientes marítimos
  • Métodos construtivos
  • Dispositivos estruturais
  • Sistemas de controlo passivo e ativo
  • Construção 4.0 e ferramentas BIM
  • Adaptação às alterações climáticas e aos desafios societais
  • Desconstrução e reciclagem

05. Realizações: Obras Novas e de Reabilitação

  • Barragens
  • Edifícios
  • Fundações
  • Obras ferroviárias
  • Obras portuárias
  • Pontes e viadutos
  • Reservatórios e silos
  • Túneis

Comissões

Comissão Organizadora

Luís Oliveira Santos (Presidente)
Mário Pimentel (Vice-Presidente)
Ana Sofia Louro
Elsa Caetano
João Almeida Fernandes

João André

José Sena Cruz

Luís Machado
Pedro Cabral
Rita Moura
Sandra Neves

Comissão Científica

Eduardo Júlio (Presidente)
J. Ramôa Correia (Vice-Pres.)
Paulo Fernandes (Secretário)

Alexandre Pinto

Alexandre Portugal

Álvaro Cunha

Ângela Nunes
Aníbal Costa
António Abel Henriques
António Baptista Coelho
António Bettencourt Ribeiro
A. Carrasquinho de Freitas

António Correia
António Costa
António Lopes Batista
António M. Baptista
António Perry da Câmara
António Pinho Ramos
António Reis
António Santos Silva

António Tavares de Castro
Arlindo Gonçalves
Armando Rito
Augusto Gomes
Carlos Chastre Rodrigues
Carlos Félix
Carlos Martins
Cristina Barris
David Fernández-Ordoñez
Eduardo Cansado Carvalho
Eduardo Cavaco
Eva Oller Ibars
Fernando Branco
Fernando Stucchi
Francisco Virtuoso
Helena Cruz
Hugo Corres
Hugo Costa
Humberto Varum
Joan Ramon Casas
João Almeida
João Appleton
João Ferreira
João Garcia

João Lanzinha

João Pedro Firmo

João Pires da Fonseca
Joaquim Barros
Joaquim Figueiras
Jónatas Valença
Jorge de Brito
José Aguiar
José Alexandre Bogas
José Câmara
José Campos e Matos
José Lobo de Carvalho
José Manuel Catarino
Jose Romo Martin
José Turmo
Júlio Appleton
Júlio Timmerman
Luciano Jacinto
Luís Câncio Martins

M. Dolores G. Pulido
M. Helena Barros
Manuel Pipa
Miguel Azenha
Miguel Lourenço
Nelson Vila Pouca
Nuno Valentim
Paulo Cachim
Paulo Lourenço
Paulo Maranha
Paulo Vila Real
Pedro Mendes
Regina Souza
Ricardo do Carmo
Rui Faria
Sandra Nunes
Sérgio Hampshire Santos
Sérgio Lopes
Teresa O. Santos
Túlio Bittencourt
Válter Lúcio
Vasco Moreira Rato
Xu Min

Programa

Tendo em vista maximizar o interesse e a intervenção de todos os participantes, o programa do Congresso compreende os seguintes formatos:

  • Sessões plenárias, nas quais estão incluídas palestras de renomados especialistas nacionais e estrangeiros, bem como a apresentação de obras especiais pelos seus executantes.
  • Sessões paralelas dedicadas aos temas gerais identificados pela Comissão Organizadora, bem como “sessões especiais” dedicadas a temas específicos propostos pelos participantes.
  • Exposição técnica, com um espaço dedicado no qual serão exibidos produtos, tecnologias, atividades e realizações recentes, da responsabilidade das entidades que apoiam a realização do Congresso.

Uma sessão plenária será dedicada à entrega dos prémios organizados pelas associações promotoras do Congresso: o “Prémio Ferry Borges 2019”, atribuído pela APEE ao melhor trabalho no domínio da engenharia de estruturas publicado no triénio 2016-2018, e o “Prémio Jovens Mestres”, atribuído pelo GPBE às melhores dissertações de mestrado na área do betão estrutural.

O programa social inclui um cocktail de boas vindas no dia 3/11 e almoços nos três dias do Congresso. 

3.11.2021
4.11.2021
5.11.2021
09h00 – 09h30
Registo
Sessão Plenária
Sessão Plenária
09h30 – 10h00
Sessão de Abertura
10h00 – 10h30
Palestra
10h30 – 11h00
Coffee Break
11h00 – 12h30
 
 
Sessões Paralelas
 
 
Sessões Paralelas
Sessões Paralelas
12h30 – 14h00
Almoço
14h00 – 15h30
 
 
Sessões Paralelas
 
 
Sessão Plenária
(entrega de prémios)
Sessões Paralelas
15h30 – 16h00
Coffee Break
16h00 – 17h30
 
 
Sessões Paralelas
 
 
Sessões Paralelas
Sessão de Encerramento

Palestras

Conservação das estruturas do património cultural: Digitalização, sismos, aplicações e outros desafios

Paulo_Lourenco

Paulo Lourenço

Professor Catedrático do Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho.

Diretor do Instituto de Sustentabilidade e Inovação em Engenharia de Estruturas.

Editor do International Journal of Architectural Heritage.

Normas para intervenções em estruturas existentes

JulioAppleton

Júlio Appleton

Sócio do gabinete de projetos A2P Consult Estudos Projectos, Lda

Professor Catedrático aposentado do Instituto Superior Técnico

Gestão dos processos de deterioração de barragens afetadas por reações expansivas do betão

António Lopes Batista

Diretor do Departamento de Barragens de Betão do Laboratório Nacional de Engenharia Civil
Professor Associado Convidado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Resumo: Em Portugal há seis dezenas de grandes barragens de betão observadas, sendo que cerca de um terço estão afetadas por reações expansivas de origem interna do betão. Uma delas, a barragem do Alto Ceira, foi mesmo substituída em 2013, já que não era viável a sua reabilitação. Há três que apresentam valores médios das extensões acumuladas no tempo superiores a 1000×10-6 (Pracana, Santa Luzia e Fagilde). A barragem de Pracana sofreu importantes obras de reabilitação na década de 1980. Atualmente apenas a barragem de Fagilde apresenta taxas de expansão anuais superiores a 100×10-6. Nas outras barragens afetadas os processos de deterioração são ainda de pequena a moderada amplitude, mas em algumas delas as taxas de expansão têm aumentado nos últimos anos. Em todas estas obras foram utilizados agregados graníticos e quartzíticos, muito frequentes no país, exceto na barragem de Fagilde, onde foram usados calcários micríticos.
Apresenta-se uma síntese das principais atividades de observação (monitorização, inspeção e ensaios) das obras e dos resultados de estudos realizados no LNEC, no âmbito do acompanhamento e do apoio à gestão dos processos de deterioração das barragens de betão portuguesas afetadas por reações expansivas.
Faz-se também referência aos principais aspetos da reabilitação da barragem de Pracana e às metodologias disponíveis de reparação das barragens mais deterioradas por esta patologia.

Obras Especiais

Reabilitação da Ponte Hercílio Luz em Florianópolis, Brasil

FOTO

João Pedro Lopes

Teixeira Duarte, Engenharia e Construções, S.A.

A reabilitação da Ponte Hercílio Luz é uma obra de referência a nível mundial no âmbito da reabilitação de pontes, quer pelo carácter único da ponte – é a maior ponte suspensa do Brasil e a única no mundo com uma catenária formada por barras biarticuladas que se integram na corda superior da treliça do tabuleiro – quer pela dimensão da obra, quer pela sua complexidade técnica.

A apresentação fará referência aos aspetos técnicos de maior complexidade e originalidade, desde o reforço das fundações dos pilares centrais a todo o procedimento criado para a troca dos elementos de suspensão do vão central – catenária e cabos pendurais – bem como a descrição da tecnologia utilizada para a anulação das tensões nesses elementos (antes da substituição) e a sua reentrada em carga (após a substituição) e do sistema de monitorização implementado a fim de aferir, entre outras grandezas, esforços e deformações da estrutura, principalmente durante as operações críticas de manipulação da deformada do vão central.

Reabilitação e Reforço do "Solar de Santana"​

JAlmeida

João Almeida

JSJ Structural Engineering

O edifício “Solar de Santana” é um dos mais antigos edifícios da zona do Campo Santana, em Lisboa. Outrora conhecido por Palácio Vaz de Carvalho ou Casa das Torrinhas, foi edificado em 1661, apresentando um importante património histórico, como uma já rara calçada centenária ou azulejos do séc. XVII e séc. XVIII. Assim, a intervenção neste edifício teria de ser realizada preservando todo o valor histórico da construção.

A exigência da manutenção de praticamente todas as paredes exteriores e interiores de alvenaria, bem como de outros elementos patrimoniais históricos, num antigo palácio de configuração “labiríntica” levantou desafios permanentes à conceção, verificação da segurança e execução da estrutura. A maioria das soluções adotadas são particulares, pensadas à medida de cada caso e adaptadas às necessidades da obra no seu decurso. Particularmente exigente foi a construção de um piso subterrâneo de estacionamento, que exigiu o recalçamento temporário de um número muito significativo de importantes paredes resistentes.

Randselva bridge and drawingless projects

Oystein_Ulvestad

Øystein Ulvestad

Sweco, Norge AS

Norwegian Public Roads Administration (NPRA) is the project owner of the Randselva bridge project. Over time they have been gradually extending their demand for how BIM is used in their projects. The first step in this development has been to use BIM-models as the basis for project drawings. Parallel to this development, they have seen a significant reduction in change orders. The main reason for significant reduction in change orders in BIM-projects are better opportunities for clash control and the improved understanding of scope of work.

This presentation describes the methods behind drawing less design and how a 634 m long free cantilever bridge is being built without the use of a single drawing, solely based on BIM‑models.

Sessões Especiais

SE1 - Novas tecnologias na reabilitação e reforço de estruturas de betão

Organizadores
rbe-mp3
Mário Pimentel (FEUP)
rbe-jsc
José Sena-Cruz (UM)
Objetivo

Nos últimos anos têm emergido um conjunto de novas tecnologias para a reabilitação e reforço de estruturas de betão, de entre as quais se realça o uso de i) compósitos poliméricos (constituídos por uma matriz polimérica e fibras de e.g. carbono, vidro, aramida, basalto) ou ii) compósitos cimentícios de ultra-elevado desempenho reforçados com fibras. Esta sessão especial tem como principais objetivos a divulgação dos avanços realizados neste domínio ao nível da investigação e desenvolvimento, assim como apresentar casos de estudo em que a aplicação destas tecnologias tenha sido demonstrada.

SE2 - Valorização de resíduos para a produção de betão sustentável

Organizadores
ABogas
Alexandre Bogas (IST)
HCosta
Hugo Costa (ISEC)
Objetivo

Uma das principais preocupações atuais da indústria do betão consiste em garantir uma prática sustentável e de baixo carbono para a sua produção, implicando a redução do nível de emissões de gases de estufa, a utilização racional de recursos naturais e a promoção de uma economia circular. Nos últimos anos, o sector técnico e a comunidade científica têm desenvolvido vários esforços no sentido de explorar a reutilização de resíduos ou materiais alternativos de menor impacto ambiental para a produção de betões mais sustentáveis. Esta prática visa contribuir para uma gestão mais equilibrada dos resíduos, a diminuição da pegada de carbono do betão e a redução do consumo de recursos naturais, além de permitir o aumento da durabilidade, promovendo fortemente a sustentabilidade.

A presente sessão especial tem como objetivo apresentar alguns dos últimos trabalhos realizados no âmbito da valorização de resíduos para a produção de betão estrutural de maior sustentabilidade, incluindo o desenvolvimento de cimentos alternativos de baixo carbono, associados a menores teores de clínquer, bem como a reutilização de resíduos para a fração de agregado.

SE3 - Inovação no projeto de estruturas baseada na metodologia BIM

Organizadores
AZSampaio
Alcínia Zita Sampaio (IST)
MJFalcao
Mª João Falcão Silva (LNEC)
Objetivo

A metodologia Building Information Modelling (BIM) tem vindo, progressivamente, a ser introduzida na área da Arquitetura, Engenharia, Construção e Operação (AECO). Contudo, o sector da Engenharia de Estruturas tem apresentado uma maior dificuldade na sua adoção devido, principalmente, à limitada capacidade de interoperabilidade existente nos sistemas computacionais de base BIM disponíveis. Embora os avanços tecnológicos associados à prática BIM tenham permitido alcançar níveis de eficiência mais satisfatórios, são ainda observadas inúmeras lacunas na elaboração integrada do projeto de estruturas. Apesar de, na última década, os projetistas terem vindo a admitir alguma adaptação processual, incorporando etapas de modelação 3D, de análise de consistência geométrica, de transferência de dados entre sistemas, e, ainda, de centralização de informação gerada, nomeadamente, os relativos a resultados de análise, a pormenorização de armaduras e os mapas de quantidades de materiais, há ainda alguma resistência e desconfiança na adoção da metodologia.

A sessão especial proposta pretende promover e disseminar o conhecimento relativo à aplicação de estratégias de adoção do BIM no setor AECO, com ênfase para a área da Engenharia de Estruturas, através da apresentação de trabalhos recentes de investigação e do estabelecimento de estratégias de trabalho que evidenciem os benefícios da utilização e implementação do BIM no desenvolvimento do projeto de estruturas.

SE4 - Deteção e diagnóstico de anomalias e soluções de intervenção em barragens

Organizadores
dav
A. Tavares de Castro (LNEC)
CCosta
Cristina Costa (COBA)
Objetivo

A gestão dos recursos hídricos é um fator decisivo no desenvolvimento das sociedades, em particular no contexto das atuais preocupações com as alterações climáticas. Do ponto de vista da mitigação dos efeitos destas alterações, a construção e exploração de barragens, para além de contribuir para armazenar água destinada a consumo humano, irrigação e outras atividades industriais, é essencial para o controlo de cheias e para permitir a utilização, em períodos de seca, de água armazenada nos períodos de abundância. Por outro lado, a hidroeletricidade é uma das fontes de energia mais limpa, indispensável para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Dada a avançada idade de muitas das barragens existentes, são da maior relevância os estudos de diagnóstico das patologias ocorrentes e posterior definição das soluções de reparação e de reabilitação a realizar no sentido de prolongar a sua vida útil, garantindo o seu adequado comportamento e desempenho.

Nesta sessão especial serão apresentadas metodologias de deteção de danos e estudos de avaliação do estado de deterioração de barragens de betão e de alvenaria e propostas de intervenção para a reabilitação das obras.

SE5 - Construção, modificação e reabilitação de barragens

Organizadores
PiteiraGomes_small
José Piteira Gomes (LNEC)
RPimentel_small
Ricardo Pimentel (EDP)
Objetivo

Num mundo onde a sustentabilidade assume cada vez mais um papel preponderante, é fundamental assegurar a extensão da vida útil das infraestruturas relevantes, nomeadamente das barragens, através de intervenções de reabilitação de natureza diversa, quer para garantir a segurança estrutural e hidráulico-operacional, quer para as adequar a novas condições de exploração, associadas a novas exigências ambientais e ao desenvolvimento de novas tecnologias.

Nesta sessão especial serão apresentadas soluções inovadoras para darem resposta a importantes desafios técnicos relacionados com a conceção, o dimensionamento e a construção de barragens e seus órgãos, abordando-se também aspetos relacionados com a coordenação de diversas especialidades para propiciar o bom desenvolvimento e a segurança dos trabalhos.

SE6 - Análise e interpretação do comportamento de barragens

Organizadores
jvlemos
J. Vieira de Lemos (LNEC)
RuiFaria
Rui Faria (FEUP)
Objetivo

O controlo de segurança de barragens requer uma observação rigorosa dos principais indicadores de comportamento destas obras e a sua interpretação com base num conjunto de métodos que têm sido progressivamente aperfeiçoados, em particular recorrendo aos desenvolvimentos mais recentes no campo da modelação numérica. Nesta sessão, estes métodos de análise e interpretação do desempenho são aplicados a um conjunto de barragens de betão portuguesas, quer obras recentemente construídas, quer obras com um longo período de observação. É ainda abordada a importante questão da modelação dos efeitos da acção sísmica em barragens abóbada.

Autores

Submissão de Comunicações

Os autores, cujos resumos tenham sido aceites pela Comissão Científica, deverão submeter aqui a sua comunicação.

 

  • Os artigos aceites serão publicados nos anais do Congresso e devem ser apresentados durante o evento.
  • Cada autor inscrito poderá apresentar até dois artigos.
  • Os artigos podem ser escritos em Português, Espanhol ou Inglês.

Submissão de novos resumos

Os autores que pretendam propor um novo resumo poderão fazê-lo usando o modelo de resumo abaixo e submeter a versão pdf na plataforma Easychair.

Datas Limite

Submissão de novos resumos: 15 de abril de 2021
Aceitação de novos resumos: 22 de abril de 2021
Submissão de comunicações: 31 de maio de 2021
Aceitação de comunicações: 30 de julho de 2021

Candidatura ao Prémio Jovens Mestres

Enquadramento

O Congresso Nacional Reabilitar & Betão Estrutural 2020 pretende contar com uma participação alargada, não só dos atuais, mas também dos futuros técnicos do sector. Assim, os finalistas dos cursos de mestrado em Engenharia Civil que tenham desenvolvido as suas dissertações na área do betão estrutural são incentivados a concorrer ao ‘Prémio Jovens Mestres’, uma iniciativa do GPBE com o apoio da Secil.
Os melhores trabalhos serão apresentados numa sessão especial do Congresso e os prémios serão entregues numa cerimónia integrada numa sessão plenária.

Datas Limite

Devido à pandemia Covid-19, diversas instituições adiaram o prazo para entrega e discussão das Dissertações do ano letivo 2019/20, pelo que a Direção do GPBE decidiu também alargar os prazos de candidatura ao Prémio.

Pré-inscrição dos candidatos: 15 fevereiro 2021
Submissão das candidaturas: 31 março 2021
Comunicação dos resultados da avaliação de admissibilidade (Fase 1): 30 de abril 2021

Inscrições

Os interessados em participar no Congresso Nacional “Reabilitar & Betão Estrutural 2020” deverão preencher e submeter online o formulário de inscrição. O custo da inscrição é o indicado no quadro ao lado e o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária para:

 

GPBE – Grupo Português de Betão Estrutural
IBAN: PT50 0018 000001558286001 54
BIC/SWIFT: TOTAPTPL
Descrição: Inscrição de “Nome” no Reabilitar & BE2020

O custo de inscrição inclui:

  • Programa técnico
  • Publicação das comunicações em formato digital
  • Cafés e Almoços
  • Cocktail de boas vindas no dia 3 de novembro
Tipos de inscrição
até 30.09.2021
depois 30.09.2021
Sócios APEE, GPBE e Associações parceiras (1)
300€
350€
Membros da Ordem dos Engenheiros e Ordem dos Arquitectos
350€
400€
Geral
400€
450€
Estudante (2)
150€
200€

(1) Associações parceiras:
ABECE – Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural
ACHE – Asociación Científica-Técnica del Hormigón Estructural (Espanha)
IBRACON – Instituto Brasileiro do Concreto
Grupo Español de IABSE

(2) Os estudantes devem juntar comprovativo da sua instituição certificando o seu estatuto.

Exposição Técnica

O Congresso Nacional Reabilitar & Betão Estrutural 2020 constitui uma excelente oportunidade para as empresas que desenvolvem a sua atividade no sector da construção e obras públicas promoverem os seus produtos e serviços na comunidade técnica através da concessão de um patrocínio à organização deste evento.

As entidades interessadas deverão preencher a ficha de apoio ao Congresso e fazer o seu envio para o email: info@reabilitar-be2020.pt.

Os diferentes tipos de apoio disponíveis estão reunidos no quadro ao lado.

A Exposição Técnica para apresentação de produtos e serviços relacionados aos temas do Congresso decorrerá no átrio do Centro de Congressos do LNEC, a área central do local do Congresso.

Na planta da exposição técnica (incluída abaixo) estão indicados a amarelo os stands disponíveis para reserva.

Para mais informações consultar as condições da exposição técnica.

Tipo de apoio
Platina 4.000€
Ouro 3.000€
Prata 2.000€
Bronze 1.000€
Presença do logotipo da empresa
Página eletrónica do Congresso
Programa
Écrans das salas entre apresentações
Brochuras na pasta do Congresso
Exposição Técnica
Stand (12 m2)
Stand (6 m2)
Roll-up
Nº de inscrições para o Congresso
4
3
2
1

Planta de Exposição Técnica

Clique na imagem para aumentar.

Stand A

Stand B

Stand 8

Stand 12

Stand 13

Stand 14
Stand 15

Patrocínios

Platina

Ouro

Prata

Bronze

Media Partners

Contactos

Congresso Nacional
Reabilitar & Betão Estrutural 2020

Comissão Organizadora
A/c LNEC
Av. Brasil, 101
1700-066 LISBOA
Ver mapa

Tel.: 218 443 260

E-mail: info@reabilitar-be2020.pt

Ao enviar este formulário, está a aceitar a nossa política de privacidade